………………Fotógrafos em Foco _ Paraty 2011

Bom…todo mundo já falou do sucesso que foi o Paraty em Foco deste ano. Pois bem, também estive por lá, revi bons amigos, participei de alguns eventos e como sempre acontece conheci gente nova e trabalhos interessantes.
E numa caminhada matinal, entre uma garoa fina e pequenas aparições do sol, esbarrei no Leonardo Rodrigues  dando continuidade ao seu projeto autoral “Fotógrafos em Foco”. Eu já havia lido sobre o trabalho dele, visto algumas belas fotos e tinha vontade de conhece-lo, saber um pouco mais do seu trabalho, como surgiu a idéia, quando vai acabar. Como já comentei em posts anteriores, ando muito interessado em projetos de fôlego, com longa duração. Este começou em 2008!
E foi um prazer conhecer um profissional amante do retrato, que sabe conduzir o retratado com singular gentileza e firmeza. profissional, clamo, tranquilo, nem aprece que vive freelando nesta cidade maluca, chamada São Paulo. Educado e gentil, permitiu que eu o retratasse durante o trabalho. Com ando na “vibe” de trabalho com iPhone, claro, fiz alguns retratos, mas me empolguei e fiz um pequeno timelapse de uma das seções de foto deste “artista”.
Em seguida um breve bate-papo com Léo Rodrigues, que divido com voces!

Cincopa WordPress plugin

*Como surgiu a idéia?
Bom minha mulher é pesquisadora em bioquímica e viaja o mundo participando de congressos, então eu não podia voltar pra casa depois do festival de Paraty, o nosso “congresso”, e dizer que tinha visto umas palestras e tomado muita cerveja. Enfim, eu tinha que fazer algo…
Mas vamos lá, o Fotógrafos em Foco, que só ganhou esse nome ano passado, começou em 2008, como um exercício, uma brincadeira. Empolgado pelo clima de Paraty e do festival, que eu visitava pela primeira vez, percebi que eu não queria voltar para São Paulo sem tentar realizar algo que me desafiasse dentro daquilo que mais gosto e procuro fazer em fotografia, o retrato. Peguei como referência o trabalho Na Lona, do fotógrafo carioca Rogério Reis, que estava na edição daquele ano do festival. É um ensaio fantástico, muito inspirado e inspirador para mim. Considerei fazer um ensaio como se fosse para um workshop do Rogério baseado no Na Lona. Resolver quais seriam os personagens foi o mais fácil. Fotógrafos sobram na cidade durante o festival. Ao conseguir definir as portas e janelas das construções de Paraty como minha “lona” percebi que tinha dado o passo principal. “Vou identificar o festival com esses retratos”, pensei. E a descarga de adrenalina diante do desafio de me expor ao abordar, dirigir e fotografar na rua aqueles que costumam fazer isso foi o empurrão que faltava.

*Tem um ponto final? vai acabar?
Ainda não sei. É como um filho, parece que a ligação de dependência vai durar para sempre, mas isso chega ao fim. A “cria” esta formada e sua energia naquilo não faz mais sentido. Esse projeto  chegou a 4ª edição este ano e tenho procurado alguma nova idéia para desdobra-lo, com receio que ele esfrie. Além disso, conseguir diferentes poses tem se tornado cada vez mais difícil. Mas acredito que o material já produzido tem algo pra dar ainda, já que foi muito pouco divulgado. O principal objetivo nesse sentido seria conseguir expor as fotos durante o festival. E realizar isso pode ser importante para trazer novos ares ao ensaio. Por enquanto, posso dizer que as horas que dedico aos retratos são muito gostosas. Quem já participou, ou acompanhou sabe que boas risadas não faltam durante os cliques.

*Quem não fotografou ainda e gostaria de ter registrado?
Poxa, são muitos. Entre os famosos, o Rogério Reis que inspirou esse projeto com seu trabalho. O Márcio Scavone, cujos imagens fizeram me apaixonar pelo retrato. O Maurício Lima, por ser um grande representante internacional da fotografia brasileira. Tem a Annie Leibovitz, eu sempre me pergunto como ela consegue aqueles retratos. Ah, e Cartier Bresson, imagine conseguir registrar o mestre com sua Leica, numa sessão espírita em pleno Paraty em Foco. Seria o crème de la crème do Fotógrafos em Foco. Aí sim poderia encerrar o projeto.

Mais um enorme desejo meu é ver algum dos adolescentes que fotografo ou um dos jovens talentos, como o Mastrângelo Reino ou a Ana Carolina Negri conquistarem reconhecimento internacional.