© 2016 admin. All rights reserved.

Quando Toni encontra Antonio

Diário de viagem, quase estrelar. Minha conversa com vocês neste espaço vai ser interrompida. As malas que estavam prontas, umas por não terem sido desfeitas e outras por estarem arrumadas para uma nova vida nas terras de Mao, serão desfeitas por completo.

Tudo muda o tempo todo e a vida segue nos dando presentes e/ou pregando peças. Desafios profissionais me prendem no Brasil e assim volto da China.

Sigo nas minhas entrevistas com chineses aportados no Brasil. Desta vez, falei com o senhor Wen, mas que aqui na terra do carnaval, do futebol (para os alemães), das panelas seletivas, dos estupros não punidos, atende pelo nome de Antonio.

A pergunta que abre as conversas com os imigrantes chineses sempre é a mesma:
•    O que veio fazer no Brasil?
Já ouvi as mais diversas respostas, mas sempre alinhavadas pelo conjunto, liberdade, oportunidade, amor e dinheiro. Mas senhor Antonio responde de maneira muito singular:
•    Vim matar a saudades.
•    De quem? Do quê?
•    E eu sei lá, eu tinha uma saudades de algo que eu não sabia. De uma coisa que meu coração desejava e nem eu mesmo sabia.
•    Resenhe sobre isso, senhor Antonio.
•    Você tem tempo? Acredita na intensidade da vida?

Eu fico sem palavras, o jovem senhor que em seu país era médico, aqui trabalha há 10 anos como atacadista. Tem uma energia muito especial. Parece estar sempre a filosofar, sempre termina suas frases com uma pensata que nos faz refletir.

Me perguntou qual era a minha saudades, o porquê fui para China e o porquê voltei. Expliquei segundo as notas oficiais sem entrar em detalhes. Ele inquieto pergunta:
•    Quando foi, foi mesmo?
•    Não sei ao certo. Achava que sim, mas para dizer a verdade não sei mesmo se fui. Vivo por tantos lugares que não sei se chego em tempo, junto com o meu corpo.
•    E voltar, já voltou?
•    Hoje posso dizer que sim. Para dizer a verdade ao senhor, meu corpo chegou ao Brasil faz quase dois meses, mas hoje chegou todo o resto. Agora estou aqui.
•    Por isso esse sorriso em seu rosto.
•    Me diga uma coisa, rapaz. Seu nome não é Toni, não é mesmo?
•    É e não é. Sou Toni desde pequeno e na vida profissional sempre fui Toni Pires, mas me chamo Antonio.
•    Ah, entendo. Vou te contar…

Falamos por mais de duas horas. Ele explica que escolheu o nome Antonio ao chegar ao Brasil e hoje não se reconhece por outro nome, mesmo Antonio existindo por somente uma década. Tem momentos na vida de um homem, que por mais que o mundo pareça desabar e mil tarefas ele tenha que executar, só uma coisa é que importa:
•    Encontrar o seu Antonio.
Falo um pouco de mim e por que voltei e arrisco dizer:
•    Acho que entendo o que o senhor me falou no início da nossa conversa. Voltei por uma saudades que nem eu sabia que tinha. Meu coração precisava sonhar e na China eu não conseguia. Agora vivo um sonho.
•    Então meu rapaz, saiba que está prestes a virar um senhor e saiba que você voltou para ser Antonio.
Só consegui dizer que ele era uma pessoa muito especial. Terminamos a entrevista em um profundo e respeitoso silêncio. Ambos com sorriso maroto no rosto. Quando estava para sair ele me diz:
•    Pare de morrer de saudades. Viva de saudades. Não são os sonhos que nos movem, mas as saudades do que não sabemos querer.
•    Palavras assimiladas.
•    Só mais uma coisa. Vai ficar por aqui?
•    Não sei, mas uma coisa eu posso garantir. Por onde eu for, é Antonio quem vai.
•    Zàijiàn
•    Vou ser feliz e já volto…

Estas entrevistas vou continuar a dividir com vocês no meu blog pessoal. Fica aqui meu agradecimento e respeito a vocês que me acompanharam, leram, riram, choraram, gostaram e odiaram minhas letras emparelhadas.

Viver é compartilhar, e dividir com vocês minhas experiências no “continente vermelho” foi um prazer e uma honra.

Aos amigos de redação que sempre me ajudaram nesta empreitada, que me abriram espaço e confiaram:
– XIÈXIÈ.Post 31.05-1

Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos obrigatórios estão marcados com *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>